quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Uma noite quase perdida

  *texto literário



    Era madrugada de domingo. Uma noite quente e aparentemente comprida.Lá estava Denis,revirando-se na cama sem sinal algum de cansaço.
   Seus pensamentos longínquos e medrosos intrigavam-o a todo instante,buscando um sentido para estar acordado.Todo aquele silencio, a não ser um velho ventilador que parecia estar em atividade final, o revoltara, demonstrando notoriamente a impaciência em sua face.
   A todo instante olhava para o relógio,esperando o momento em que "surrealmente pegaria no sono". Passavam-se lentamente as horas,e Denis com seus grandes olhos castanhos, ainda impaciente desistira de dormir.
   Agora já cansado ligara a TV,buscando distração e destinado a ocupar-se para esperar a "interminável" noite findar.
   Com o controle remoto em posse, foi aos poucos trocando os canais até encontrar um documentário sobre Neurologia, o que muito lhe agradara. Entretido, Denis não desgrudou os olhos do programa,quando derrepente "BUM!", aTV queima, após uma queda de energia. Eram 4h13min.
   Irado, o jovem rapaz quebra o controle com suas mãos e mais uma vez volta ao marasmo de ver-se entediado por aquela noite perdida.
   4h30min...
   5h34min...
   6h...
   Aos poucos amanhecia e Denis surpreendentemente consegue dormir.
   6h05min...
   __Acorda filho!Hora de ir pra Faculdade
   Sem falar uma palavra, mas com um olhar gritante, Denis levanta-se,toma seu banho,bebe seu tradicional café-com-leite e segue sua rotina.
   A caminho da faculdade, todos olhavam para ele, por sua face cansada, seus olhos marejados e avermelhados. Porém, Denis nem percebera.Estava quase explodindo de raiva.
   Já na faculdade, lembra-se de uma avaliação que faria naquela manha.
   Sem dormir, sem estudar...Sem reclamar.
   Ao receber a avaliação, já conformado com a aparente pontuação baixa que obteria, o jovem lê-la parcialmente e percebe que o conteúdo baseia-se em neurologia.
   Um leve sorriso expande-se em seu rosto. Ao que Denis fora entender o motivo de não consegui dormir.
   9,5 fora sua nota. Detalhe, o jovem nunca soube que seu único erro foi devido a queda de energia que impossibilitou-o de assistir o fim do documentário.
   Enfim, nada na vida é por acaso, tudo, independente do que seja, tem sempre uma justa finalidade.

Juneo Daniel Rodrigues
   

domingo, 9 de janeiro de 2011

sábado, 8 de janeiro de 2011

O amor que clama

    Diariamente, vemos a nossa volta situações de muita dificuldade e sofrimento. Situações irônicas, egoístas, dolorosas ou até mesmo mortificantes. Coisas que, talvez, parecem simples, ou exageradas quando ditas, mas mostram-se difíceis à medida que presenciamos ou sensibilizamos com a situação alheia.
    O ser humano, por sua essência inclinada ao pecado, é egoísta e muito rude. Prova disso é a despreocupação com a saúde alheia, o bem estar do próximo, a felicidade do irmão, enfim, somos insensíveis e inertes quanto se trata de amar o outro.
    Muitas vezes, achamos que nosso valor é encontrado a partir do momento em que fazemos grandiosas obras ou escandalizamos com atitudes chamativas. Como somos ignorantes... Essas grandiosas obras são boas, claramente, mas esquecemos o quão belo e eficaz é, quando fazemos uma simples e sincera oração.
    Deus nos ama tanto que nos concedeu a graça do amor como forma de partilhá-lo com quem mais precisa. E esse amor é revelado principalmente na face do irmão. Ainda no amor divino, somos agraciados em poder manifestar esse amor ao próximo através do poder da oração.
    Orar pelo irmão: isso sim é prova de amor. Isso é Intercessão. Sentir-se bem a presença do outro, aconselhar, perdoar, rever atitudes, reaproximar e contemplar, são notoriamente atitudes de um intercessor.
   Humildemente, prostramo-nos diante de quem incondicionalmente nos ama, e reconhecemos que a cada dia Deus é perfeito à medida que nos concede a graça de louvar e suplicar.
    Interceder é, por graça divina, ir ao encontro do outro, de forma a clamar pelo irmão, estabelecendo um “elo” entre ele e Deus.
    O livro do Eclesiástico traz que “... a oração humilde penetra as nuvens”. Se formos modestos e simples Deus vê em nós sua obra perfeita, e como Pai de bondade e sabedoria plena, concede-nos o bem que precisamos de acordo com Vossa vontade e misericórdia.
    A bondade divina, em seu caráter infinito, nos concedeu a graça de contemplar o gesto mais puro de Intercessão pelo poder do Santo Rosário. Oração essa, que clama incessantemente aos céus, que nos fecunda junto ao poder de Deus.
   Enfim, assim como amados de Deus, somos verdadeiros intercessores. Pelo poder da oração Deus nos ouve e atende. Sejamos então eternos orantes, pois assim é que se partilha amor.
    Orar é amar...
    De seu irmão na fé Juneo!